APASGU-PB - Associação dos Pequenos Agricultores de Sítio Guerrilhas – Uiraúna -PB ( Assentamento

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

O início







O Projeto que deu certo.


Em 2003, Terezinha Pinheiro Moreira ajudou a criar a associação de dez famílias para poderem, como associação, comprarem o Sítio Guerrilhas, no município de Uiraúna - PB.
Terezinha era assistente social e trabalhava com os pequenos agricultores entre as regiões de Campina Grande e João Pessoa. Orientando-os para uma cultura agricultura livre de agrotóxicos. Por isto este nome:
 APASGU-PB – Associação dos Pequenos Agricultores do Sítio Guerrilhas. Era a paixão pelos “pequenos agricultores” que Terezinha tinha.
Com a ajuda de Geraldo Rodrigues, técnico da EMATER – Uiraúna - PB encaminhou o projeto depois de uns três anos de burocracias... Com a ajuda de Francisco Adelino Barbosa (Titino) e Domingos que ajudavam as vezes com dificuldades e sofrimentos a recolher documentos e assinaturas dos associados.
Esta associação hoje tem um estatuto próprio e depois de conquistar a compra da fazenda e construir suas dez casas, com depósito para armazenar a lavoura conseguiu com trabalho, esforço e perseverança manter em dia as mensalidades anuais.
Nesse percurso vários projetos e sonhos se concretizaram:
Rreforma do açude velho, energia elétrica, ferramentas, depósito e por último a perfuração de quatro poços que será o início da produção de renda como empresas familiares agro sustentáveis.
Com o curso de agro- ecologia, já capacitados com o seu diploma agora partirá para ação.
Ao criar esta associação na época recebíamos pilhérias e muitos não acreditavam na capacidade dos seus associados.
Atualmente muitos já começam a produzir. Já temos queijo por encomenda, (Ana Maria), ovos e galinha capoeira, (Zilda), batata doce, melão e melancia e aos poucos vão surgindo hortas e hortaliças.
Diante da seca que assola a nossa região nem todos estão produzindo ainda.
O parcelamento que é feito anualmente ainda faltaria três anos.
Esta semana tiveram a imensa alegria de receberem um abono. Tiveram a visita de Geraldo Rodrigues e equipe da EMATER de Uiraúna que levaram a notícia de que todos quitariam os seus débitos nesta parcela e com uma parcela mínima, devido ás grandes secas.
Queremos dar esta notícia maravilhosa e agradecer a todos que nestes longos anos de sofrimento e falta d’água ajudaram ao assentamento Sítio Guerrilhas.
Aos que compraram galinhas e ovos, feijão e milho de vez em quando e assim contribuíram para que pudessem estar sempre em dia, pois segundo a EMATER de Uiraúna sempre foi  uma das associações mais pontuais da região.
Agrademos aos sucessivos Prefeitos de Uiraúna que desde o  início ajudaram no transporte dos tijolos do açude para o local das casas e assistência com caminhões pipas, abastecendo todo período da seca. Como também a Prefeita de Paraná-RN Oriana, com a construção das dez  cisternas e ajuda tecnológica com o trator.
Agradecemos também as secretarias de saúde com assistência médica mesmo não tendo uma pequena sala para atendimento médico como também a Secretaria de Agricultura. E ao Hélio Galiza que acompanhou o primeiro Curso Agro Ecologia realizado na própria associação.
Agradecemos a Deus por nos ter atendido a tantas preces para que este projeto desse certo. Quando muitos só faziam críticas negativas.
Ao criar esta associação, na época recebíamos pilhérias e muitos não acreditavam na capacidade dos seus associados. Parabéns a cada um pelo afinco trabalho e por esta grande vitória.
Continuem perseverantes e não se iludam agora com os especuladores que agora querem se apoderar de suas ricas terras. Avante, pois como “AGRICULTURA FAMILIAR” vocês estão a um passo de terem o retorno merecido com o suor e trabalho e aderindo aos “projetos” que virão e serão muitos vocês vencerão.
Parabéns a cada uma das dez famílias que fazem a APASGU-PB.  

Encontro da EMATER com a APASGU-PB. O Encontro da "vitória e da alegria".









Titico comprou folgos para festejar!

História da Associação  APASGU-PB


Assentamento Sítio Guerrilhas - Uiraúna- PB.

                                         O começo

         
                                                                                                                                              
           O Sítio Guerrilhas que meus pais Sátiro Francisco Moreira e Maria Leopoldina deixaram.             Depois fizemos à opção  eu, meu esposo Deaquino, minha irmã Terezinha Pinheiro e meu irmão José Sátiro Pinheiro e esposa, (depois que meus pais Sátiro Francisco Moreira e Maria Leopoldina Pinheiro partiram para o paraíso), de vender para dez famílias o Sítio Guerrilhas - Uiraúna-PB .  Famílias dos próprios trabalhadores que trabalhavam nas terras com meu pai. de preferência aqueles que não possuíam casas, terras, nem bens.
       Terezinha Pinheiro Moreira teve a ideia de convidar estas dez famílias e para isto orientou-os a formarem uma ASSOCIAÇÃO.
Neste dia ela tirou deles o planejamento anual
Um dos encontros com Terezinha Pinheiro
                                                       

   O início do projeto APASGU-PB  


          A Associação APASGU-PB nasceu do sonho dos trabalhadores serem proprietários de terra; com a ajuda da quarta geração de proprietários – herdeiros, que distantes e sentindo grande afetividade pelas terras e pelos trabalhadores, optaram por torná-los os próprios proprietários através do Programa Nacional de Combate a Pobreza Rural.

Casa antiga de Moisés Pinheiro
Sobre esta casa
                   Esta casa é da Fazenda Guerrilhas. Ficou abandonado muitos anos...Este era um dos momentos em que Sátiro Francisco e José Félix visitavam a Fazenda. Este que o acompanha tenho dúvidas se é Tio Olindo e o garotinho não me recordo quem é..Moisés Pinheiro e Vicência abrigaram aqui Lampião com sua tropa. A casa era bem maior os herdeiros não mais permanecendo na fazenda deixaram a casa deteriorar-se.
                 Posteriormente esta fazenda foi vendida para a APASGU - PB dentro do Projeto de Combate á Pobreza Rural.


A Fazenda Guerrilhas palco que abrigou Lampeão e a Coluna Prestes.
Deaquino com a Natália pequena numa de nossas visitas.
A que está com uma criança nos braços é Lúcia esposa de Eronides (Titico).

Sátiro Francisco Moreira

Maria Leopoldina Pinheiro (Marouinha Pinheiro).                   

        A nossa experiência 

Encontro com os trabalhadores com José Pinheiro Terezinha e Maria.
 Sítio Guerrilhas - Uiraúna-PB.

  
Foto: Conceição Pinheiro.
Visita de Terezinha Pinheiro








  Com o trabalho árduo de minha irmã ã Terezinha Pinheiro MoreiraAssistente Social da EMATER - PB, através de muitas viagens e caminhadas ela fez toda parte burocrática para a venda das terras. Para deixarmos a Fazenda em dia, quitada todos os impostos foi muita burocracia.
       Ela mesma ajudou a fundar a APASGU-PB. Junto a Geraldo da EMATER-PB - Uiraúna - PB, montaram o projeto para efetuar a venda da fazenda para as dez famílias - A Associação dos Pequenos Agricultores do Sítio Guerrilhas- Uiraúna - PB.
            Neste período ela teve também a ajuda valiosa de Francisco Adelino Barbosa (Agora no paraíso) que deu um grande contributo com Domingos junto ás famílias.
          Hoje estas dez famílias já concluíram a construção das dez casas. E receberam também uma quantia para cada uma fazer um armazém ou depósito para a produção da lavoura.
             Para mim era um grande desapego.... Tivemos propostas maiores.... De fazendeiros para comprarem a fazenda para criação de gato. E ofertavam o dobro.
                 Estava em Uiraúna quando Narciso me contou quando levou um desses fazendeiros e ele ofereceu o dobro para Terezinha e ela olhando nos olhos dele e disse:
               Já me comprometi com as dez famílias. E vendeu por preço inferior combinada com os irmãos que concordaram.
           Para ela era uma questão social ela queria proporcionar as famílias a alegria de trabalhadores serem os próprios proprietários. Era a sua pequena parcela de "Reforma Agrária" no Brasil que ela lutou e incentivou na Paraíba, juntos aos pequenos agricultores no seu trabalho. E era também realizar os sonhos de meus pais de ajudar, principalmente, os mais necessitados e as pessoas com as quais trabalhavam que eles e que tanto amavam...
                     Assim foi aprovado o Projeto APASGU-PB dentro do Projeto de Combate à Pobreza Rural pelo Banco do Nordeste.
                 Estão creditando seus débitos com seriedade e na luta para conquista por fontes perenes de água para fazer desenvolver o projeto para poder comercializar seus produtos.
               


O que cada família teve direito

      - Fez parte do projeto uma casa para cada família. 


      - Uma das casas já estava pronta.


Casa construída por Terezinha Pinheiro . Habitada pelos primeiros moradores da APASGU-PB:
 Francisco Valentim e Ana Maria
Ana Maria e Francisco Valentim foram os primeiros casais a morar na APASGU-PB. 
Casa da Ana que nos acolheu

Neste dia vi Chico chegar com feijão verde de sua roça prenteou a Ana. Foi quando resolvi prepara esta mesa com os produtos da terra... Colocados em comum no dia do nosso encontro. Estalinda foto:

- Foram construídas nove casas. 


O início  da construção das casas:                 

                                                           
Deaquino, Terezinha Pinheiro e José Pinheiro.  Zé Félix  é o que está de costa.
   
A reforma do açude foi o primeiro investimento feito com muitas horas do trator, com muito sacrifício para pagar o trator para fazer a reforma.
                                                               
Foto: Conceição Pinheiro
Quanto suor e sacrifício ...Zé!
 Da terra seca o barro que abrigou e aprofundou o açude...


                             Foto: Conceição Pinheiro



Construção das casas













- Cada família recebeu no projeto uma vaca com bezerro ou parida e um boi para todos, como garantia para o pagamento das parcelas.


Fazenda Guerrilhas - Município de Uiraúna -PB


Beneficiamentos das árias em comum - áreas comunitárias.


Juntos, as dez famílias usaram algumas horas de trator e reformaram o açude, que é, junto com o poço, ( Construído por Terezinha Pinheiro), um bem comum a todos...
A reforma do açude portanto foi a segunda ação em mutirão ( Todos juntos).
A 1ª foi a construção dos tijolos para fazer as casas.



                                      

                  
                 Foto: José Santana


                                  
Açude entre as rochas na serra.
Foto: José Santana





Eusébio é o pai da Ana Maria.


Este é o açudes das Guerrilhas , Uiraúna-PB. Porém, dura pouco a água devido ao calor forte do nordeste. Se tivessem recursos a construção de "Pequenas barragens" como acontece em Minas e Pernambuco nas regiões secas... Com pouco custo... Porém eles ainda estão pagando anualmente e já estão com dois anos que a produção não vai pra frente pela falta de chuva... Plantam e quando as lavouras estão ficando no ponto falta a chuva e perdem tudo...
Pequenos patrocínios seriam bem vindos para ajudá-los em projetos assim . de pequenas barragens...para ajudá-los a deslanchar... 


Chico Valente




O baixio
Na Fazenda Guerrilhas quando a chuva cai, tudo refloresce...
 Tudo nasce ao molhar seu torrão.
Tudo enflora ao calor do sol esplendente...
 Tudo dar ... Melhor terra não existe não.
Motivo de o sertanejo valorizar seu sertão.
Ninguém fica parado quando a chuva bate no teto.
Corem todos para as bicas...
A tomar banho de chuva todo sorridente.
Pois água no meu sertão qual ouro na sua mão...

Fortuna melhor não compara não.